Mixes —




RIP GIRLS TOYS — Rádio Quântica — Covil Sessions   2020 
  Os corpos das mulheres foram colonizados pelo patriarcado por séculos e a evidência disso ainda é lamentavelmente aparente em todo o mundo.
    Oprimidas, violentadas, assediadas, controladas, limitadas e regulamentadas. As que trabalham dentro e fora de casa. As que têm “mais aptidão” para limpar, cuidar, lavar, cozinhar. As que, no meio da pressão que lhes foi “destinada”, conseguem ter o bonito e intenso poder da criação.
    Farta de observar a presença oculta das mulheres compositoras, produtoras, performers, artistas, criadoras na História da Arte. As que têm a coragem de criar no feminino, lidam diariamente com a sexualização da sua figura, trazendo inseguranças e medos.
    Foi assim que a minha busca por propostas artísticas femininas e a sua história, começou a evidenciar-se.
    Não sendo possível colocar o universo numa hora, esta mix é uma homenagem e grito de resistência de mulheres com universos fortes e independentes. Pessoas que me inspiram, que me motivam e que nos mostram o forte poder da resiliência.
    Aqui são apresentados trabalhos de pessoas que para mim, têm ou tiveram um papel importante - neste caso na música - para mudar a história que criou a imagem da mulher. Tentando motivar o descanso das ideias cristalizadas do empoderamento masculino.
    Esta compilação de músicas, não foi feita para agradar a este ou àquele ouvinte. Pretende abrir portas. Fazer pensar e repensar.
    É preciso continuar. Continuemos fortes, continuemos a criar, continuemos a não ter medo.
Porque "Ser mulher não é um dado natural, mas o resultado de uma história. Foi uma história que a fez" .






Vertige — Desterro  — Lisbon  2020